sexta-feira, 7 de agosto de 2015

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Carmen-Lara - Pintura ao Vivo e MÚRI na voz


Residências Montepio - Parque das Nações - Lisboa

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013



"Vem Saber se o Mar tem Razão..."

"Come Know if Sea is Reason ..."
Óleo s/ Tela 65x55 2013
Carmen-Lara 

sábado, 9 de fevereiro de 2013

O meu Batel


Oleo s/ Tela - 65x55  2013
Carmen-Lara


domingo, 3 de fevereiro de 2013

Técnica Mista s/Tela 80x30
Carmen Lara

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

 
Criação…Tudo Novo…

Criação
Homem
Transformação
Erguer-se
... Elevar-se
Arquitetar
Construir Solidamente
Instrução
Objetividade
Fraternidade
Igualdade na Justiça
Amor
Elevação
Ascensão
Luz
Um Mundo Novo…

Carmen-Lara
2013

Técnica Mista s/Tela
100x100 2013
www.carmenlara.jimdo.com

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Princípio

    Técnica Mista s/Tela 100x100 2012

    
A Verdadeira Oportunidade

 

Uma das palavras que mais maltratadas têm sido, no entendimento que há delas, é a palavra oportunidade. Julgam muitos que por oportunidade se entende um presente ou favor do Destino, análogo a oferecerem-nos o bilhete que há-de ter a sorte grande. Algumas vezes assim é. Na realidade quotidiana, porém, oportunidade não quer dizer isto, nem o aproveitar-se dela significa o simplesmente aceitá-la. Oportunidade, para o homem consciente e prático, é aquele fenómeno exterior que pode ser transformado em consequências vantajosas por meio de um isolamento nele, pela inteligência, de certo elemento ou elementos, e a coordenação, pela vontade, da utilização desse ou desses. Tudo mais é herdar do tio brasileiro ou não estar onde caiu a granada.

 

Fernando Pessoa, in 'Teoria e Prática do Comércio'



 

Técnica Mista s/Tela 100x100 2012


sexta-feira, 31 de agosto de 2012

CONVITE


 
 
 

 


 

 
 
 

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

100x20
Técnica Mista

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Família


Composição 2x100x100-1x100x20
Técnica Mista s/Tela
 

domingo, 12 de agosto de 2012

Vida

Vida
Técnica Mista s/ Tela 2012
Carmen-Lara

Gestação -


Gestação
Técnica Mista s/Tela 2012
Carmen-Lara


Eterna é Tua primavera e toda beleza revela
Eterna é Tua bondade, envolve e alimenta
Desde o grão de areia, às galáxias inteiras, eis Teus jardins
Cada átomo manifesta Tua presença, sutil grandeza

Kwothinye

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Woman, Wolf and the Moon


Técnica Mista s/ Tela 100x100 

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Gestação


                                                                                         Técnica Mista s/Tela 90x60

Coroai-me de rosas,

Coroai-me em verdade,

De rosas —

Rosas que se apagam

Em fronte a apagar-se

Tão cedo!

Coroai-me de rosas

E de folhas breves.

E basta.


Ricardo Reis, in "Odes"
Heterónimo de Fernando Pessoa

segunda-feira, 25 de junho de 2012

"Domínio"


Técnica Mista s/Tela
100x80 2012


Se penso, existo; se falo, existo para os outros, com os outros.

A necessidade é o lugar do encontro. Procuro os outros para me lembrar que existo. E existo, porque os outros me reconhecem como seu igual. Por isso, a minha vida é parte de outras vidas, como um sorriso é parte de uma alegria breve.

Breve é a vida e o seu rasto. A posteridade é apenas a memória acesa de uma vela efémera. Para que a memória não se apague, temos que nos dar uns aos outros, como elos de uma corrente ou pedras de uma catedral.

A necessidade de sobrevivência é o pão da fraternidade.

O futuro é uma construção colectiva.

 António Arnaut, in 'As Noites Afluentes'


quarta-feira, 20 de junho de 2012

Opulência

Técnica Mista s/Tela
155x60

Deleite


Técnica mista s/Tela
120x60

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Libertação

Técnica Mista s/Tela
90x60 2012


Liberdade, que estais no céu...

Rezava o padre-nosso que sabia,

A pedir-te, humildemente,

O pio de cada dia.

Mas a tua bondade omnipotente

Nem me ouvia.


— Liberdade, que estais na terra...

E a minha voz crescia

De emoção.

Mas um silêncio triste sepultava

A fé que ressumava

Da oração.


Até que um dia, corajosamente,

Olhei noutro sentido, e pude, deslumbrado,

Saborear, enfim,

O pão da minha fome.

— Liberdade, que estais em mim,

Santificado seja o vosso nome.   



Miguel Torga, in 'Diário XII'

"Destino"

Técnica Mista s/Tela
90x60 2012

"Destino"


Nunca Busquei Viver a Minha Vida


Nunca busquei viver a minha vida

A minha vida viveu-se sem que eu quisesse ou não quisesse.

Só quis ver como se não tivesse alma

Só quis ver como se fosse eterno.


Alberto Caeiro, in "Fragmentos"


Mulher

Técnica Mista s/Tela

sábado, 16 de junho de 2012

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Crianças


Criança todos os dias.
Técnica Mista s/Tela 40x30 2012

A Lógica De!

Conta certa lenda, que estavam duas crianças patinando num lago congelado.
... Era uma tarde nublada e fria, e as crianças brincavam despreocupadas.
De repente, o gelo quebrou e uma delas caiu, ficando presa na fenda que se formou.
A outra, vendo seu amiguinho preso, e se congelando, tirou um dos patins e começou a golpear o gelo com todas as suas forças, conseguindo por fim, quebrá-lo e libertar o amigo.
Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:
- Como você conseguiu fazer isso? É impossível que tenha conseguido quebrar o gelo, sendo tão pequeno e com mãos tão frágeis!
Nesse instante, um ancião que passava pelo local, comentou:
- Eu sei como ele conseguiu.
Todos perguntaram:
- Pode nos dizer como?
- É simples: - respondeu o velho.
- Não havia ninguém ao seu redor para lhe dizer que não seria capaz.

Albert Einstein

Arte Universal - Carmen Lara

segunda-feira, 28 de maio de 2012

"Dança Comigo" 120x60 Técnica Mista s/tela



“Não é o ritmo nem os passos que fazem a dança

  Mas a paixão que vai na alma de quem dança.”

 Augusto Branco

"Alerta" 65x75 Técnica Mista s/Tela



Cede a Filosofia à Natureza
Tenho assaz conservado o rosto enxuto
Contra as iras do Fado omnipotente;
Assaz contigo, ó Sócrates, na mente,
À dor neguei das queixas o tributo.

Sinto engelhar-se da constância o fruto,
Cai no meu coração nova semente;
Já me não vale um ânimo inocente;
Gritos da Natureza, eu vos escuto!

Bocage, in 'Rimas'


terça-feira, 22 de maio de 2012

segunda-feira, 21 de maio de 2012

"SER" Técnica Mista s/ Tela - Tríptico 40x40x3


“SER”

Sonho. Não Sei quem SouSonho.
Não sei quem sou neste momento.
Durmo sentindo-me. Na hora calma
Meu pensamento esquece o pensamento,
Minha alma não tem alma.

Se existo é um erro eu o saber. Se acordo
Parece que erro. Sinto que não sei.
Nada quero nem tenho nem recordo.
Não tenho ser nem lei.

Lapso da consciência entre ilusões,
Fantasmas me limitam e me contêm.
Dorme insciente de alheios corações,
Coração de ninguém.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"http://carmenlara.jimdo.com/

segunda-feira, 23 de abril de 2012

O Fado da Sina - Técnica Mista s/Tela - 100x100

Fado da Sina

Reza-te a sina
Nas linhas traçadas
Na palma da mão
Que duas vidas
Se encontram cruzadas
No teu coração
Sinal de amargura
De dor e tortura
De esperança perdida
Indício marcado
Amor destroçado
Na linha da vida
E mais te reza
Na linha do amor
Que tens de sofrer
O desencanto
Do leve frescor
De uma outra mulher
Já que a má sorte assim quis
A tua sina te diz
Que até morrer
Terás de ser
Sempre infeliz!...
Não podes fugir
Ao negro fado brutal
Ao teu distino fatal
Que uma má estrela domina

Cruzando a estrada
Da linha da vida
Traçada na mão
tens uma cruz
A afeição mal contida
Que foi uma ilusão...
Amor que em segredo
Nasceu quase a medo
Para teu sofrimento
E foi essa imagem
A grata miragem
Do teu pensamento
E mais te reza
O negro destino
Que tens de amargar
A tua estrela
De brilho divino
Deixou de brilhar
Estrela que Deus te marcou
E que bem pouco brilhou
E cuja luz
Aos pés da cruz


Um Fado de Rosas Feito - Técnica Mista s/Tela - 90x60



Um Fado de Rosas Feito


Um fado de rosas feitohttp://carmenlara.jimdo.com/
Que eu pudesse cantar,
Sem lamentos e ao jeito
Do meu amor encantar.

O Sol nasceu e apagou
A sombra dos meus caminhos,
Com palavras semeou
Que outros fossem meus destinos.

Uma árvore por podar,
Uma casa como o vento,
Onde eu pudesse estar
Sem tocar o sofrimento.

Um jardim de nuvens feito,
Rosas plantadas nelas,
Por pecado ou por defeito
Eu ser uma entre elas.

Olhar tudo lá do alto
Como visão se tratasse,
Acordar no sobressalto
Que a terra já não amasse.

E eu da janela visse                                          
O meu amor a passar,                                       
A outra nada me disse
E eu continuei a amar.

Um jardim de nuvens feito,
Rosas plantadas nelas,
Por pecado ou por defeito
Não abri mais as janelas.                            
                                                                                                                                  
Jónatas




                                          

Hoje Veste-te de Infinito - Técnica Mista s/Tela - 60x120


Hoje veste-te de infinito sê cidade, *
Goza a tua mocidade os teus anseios,
Geme os teus ais e os teus medos
Em meus braços que rodeiam teus enleios              


Geme em cúpula feroz e sedutora
Onde se cruzam os caminhos da cidade
Antes moura de conhecimentos profundos
Do que eram os astros e os mundos.


Rasto de sol e lua, mundo neblino
Goza plena meu amor profundo,
Rosa, azul, amarelo preguiçoso


Despertar que ao teu corpo tira o mundo
Gulosa veste que te veste como um hino
Cidade rio, meu porto do mundo.

Jónatas

* Fernando Pessoa


Lágrima - Técnica Mista s/Tela - 90x30


Lágrima

Cheia de penas
Cheia de penas me deito
E com mais penas
E com mais penas me levanto
No meu peito
Já me ficou no meu peito
Este jeito
O jeito de querer tanto

Desespero
Tenho por meu desespero
Dentro de mim
Dentro de mim o castigo
Eu não te quero
Eu digo que não te quero
E de noite
De noite sonho contigo

Se considero
Que um dia hei-de morrer
No desepero
Que tenho de te não ver
Estendo o meu xaile
Estendo o meu xaile no chão
Estendo o meu xaile
E deixo-me adormecer

Se eu soubesse
Se eu soubesse que morrendo
Tu me havias
Tu me havias de chorar
Por uma lágrima
Por uma lágrima tua
Que alegria
Me deixaria matar

Amanhãs de Nevoeiro - Técnica Mista s/Tela 80x100



AMANHÃS DE NEVOEIRO

Viagens de sonho de marear,
Oceanos sem rota certa,
À descoberta sabe-se lá de quê;
Talvez de um amor que ninguém vê,
Ou de uma paixão secreta;
A noite é de desassossego,
O sol, o acordar do adormecido,
O tempo, esse é de fado encoberto,
Amanhãs de nevoeiro.

Jónatas


O Fado da Luz - Técnica Mista s/Tela 100x100

http://carmenlara.jimdo.com/
Tudo isto é Fado

Perguntaste-me outro dia
Se eu sabia o que era o fado
Disse-te que não sabia
Tu ficaste admirado
Sem saber o que dizia
Eu menti naquela hora
Disse-te que não sabia
Mas vou-te dizer agora

Almas vencidas
Noites perdidas
Sombras bizarras
Na Mouraria
Canta um rufia
Choram guitarras
Amor ciúme
Cinzas e lume
Dor e pecado
Tudo isto existe
Tudo isto é triste
Tudo isto é fado

Se queres ser o meu senhor
E teres-me sempre a teu lado
Não me fales só de amor
Fala-me também do fado
E o fado é o meu castigo
Só nasceu para me perder
O fado é tudo o que digo
Mais o que eu não sei dizer.

Saudades Marinheiras - Técnica Mista s/Tela 100x100


Saudades Marinheiras

Percorri as vielas da Mouraria, de Alfama,
Madragoa e Bairro Alto,
Elas eram como veias da cidade, operária e empobrecida.
O fado corria nelas como seu sangue fosse
E eu olhava com olhar de espanto,
Essas saudades marinheiras de descobridores do mundo.


O fado cresceu, descobriu os poetas
Que das suas tascas faziam morada,
Partindo à descoberta como caravelas fossem
E o castelo olhava-o lá do alto
Como se fosse Tejo em busca do mar.

As varinas morreram e foram passado,
Os pregões perderam-se no eco dos tempos,
Os jornais esqueceram-se que ali tinham morado,
O eléctrico passava como tinha passado.
E os poetas partiram, foram para o Chiado.
Menino já não sou,
Estou velho e cansado,
Como as estrelas se cansam de tanto céu estrelado
E o fado perdeu-se foi para outro lado.

Trinaram guitarras, murmúrios gemidos,
De um povo sem veias.
De um povo sem fado.
O fado morreu nos palcos do mundo,
Já não era fado, era outro fado,
Vendido e sem verbo, um fado acabado.